sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Entrevista com o Deputado Brasil

Importante: Esta é uma obra de ficção, qualquer semelhança com pessoas ou fatos reais é mera coincidência!?!

Fomos recebidos no Gabinete do Deputado Brasil para uma entrevista previamente agendada com sua assessoria, sobre o conflito das redes ilegais de pesca e as mortes no surfe do RS.


Abaixo os principais trechos da entrevista.

1 - Blog: Deputado, qual a sua opinião sobre o conflito existente no litoral gaúcho onde o conflito entre redes ilegais e surfistas já fez 49 vítimas, todas de surfistas.

- Resposta: Lamento de todas as formas estas mortes, temos que buscar uma forma mais coesa de diálogo entre todos os envolvidos, seja pescadores, surfistas, familiares e poder público para que uma solução imediata aconteça.

Coloco-me a disposição para que tudo que estiver ao meu alcance na AL/RS, no apoio aos familiares, enfim a todos os segmentos envolvidos.

2 - Blog: Quais as medidas que estão sendo adotadas pelas autoridades para acabar com esta barbárie? Porque o descaso da Assembléia na votação para o aumento das áreas de surf?

- Resposta: Existe uma Lei que delimita as áreas, acredito que uma fiscalização mais efetiva e uma participação dos municípios seria uma primeira medida em caráter emergencial.

A votação aqui na AL depende de uma pauta que deve ser acertada previamente entre as lideranças dos partidos, acredito que em caráter de emergência, no máximo até o final do mês, devemos ter isto na pauta.

3 - Blog: Como se explica a existência deste tipo de pesca, com este tipo de rede, em um único Estado brasileiro, o Rio Grande do Sul, todos os demais Estados já solucionaram este problema, por que só aqui ainda persiste esta questão? Existe vontade política para buscar a solução?

- Resposta: Cada Estado tem a autonomia no tocante a regulamentação da pesca e de sua proibição, nosso Estado ainda esta buscando uma solução adequada a todos os interesses e criando alternativas que viabilizem tanto o esporte como a pesca.

4 - Blog: O que o Deputado acha das várias alternativas já proposta para a mudança na forma de pescar, para os verdadeiros pescadores, como “fazendas marinhas” ou até mesmo a “pesca embarcada”?

- Resposta: A pesca embarcada, alternativa utilizada na maioria dos outros Estados, tem um custo muito elevado e demanda saída para o mar que nem todas as praias possuem.

5 - Blog: Deputado foi buscado alguma linha de crédito para a pesca embarcada junto a Instituições? Quantos e qual o custo de financiar a pesca embarcada no RS? As autoridades já fizeram algum estudo neste sentido? E sobre as fazendas, alternativa proposta pela UFRGS/CECO os deputados conhecem o projeto?

- Resposta: [...] Silêncio

6 - Blog: Será que a custo desta solução para pesca embarcada é compatível com o valor das 49 mortes que aconteceram? Se as famílias se dispuserem cada uma a doar um barco com o nome da vítima para os pescadores, em sua opinião, este seria um custo justo?

- Resposta: [...] Silêncio

7 - Blog: Nos Estados Unidos, Estado do Arizona, um conflito semelhante aconteceu, nas montanhas deste Estado a caça é liberada em algumas áreas, porém existe um número de campistas que praticam esportes nas montanhas. Alguns caçadores avançaram na área de esportes alguns campistas avançaram na área de caça, pois a demarcação e fiscalização são complicadas. Decorre disso a morte de um campista atingindo por uma bala de um caçador. Minha pergunta é a seguinte: o Senhor acha que o Estado do Arizona deve proibir a caça ou aguardar com intermináveis discussões, a 50ª morte para somente então tomar uma decisão?

- Resposta: [...] Silêncio

8 - Blog: Em sua opinião qual atividade econômica justifica 49 vidas?

- Resposta: [...] Silêncio



Para encerrar, uma homenagem do Blog SURF SEGURO RS para todos os agentes da impunidade, da omissão e do descaso no nosso Estado:


video

Um comentário:

  1. À título de informação, para mostrar que Quintão não está parada na luta em questão, segue mensagem encaminhada à Prefeitura de Palmares do Sul (a qual Quintão pertence), sobre o fato nesta relatado.

    Na sequência, com a obtenção das fotos do local, daremos continuidade às denúncias, já que os órgão públicos só retornam às atividades na terça-feira, 16.11.2010.

    "Boa tarde,

    Sou proprietário de uma casa em Quintão e surfista local, integrante da respectiva associação que está prestes a ser registrada.

    Na tarde deste sábado (13.11.2010) fui informado por um amigo, também proprietário de casa na praia, que, antes de entrar no mar, ao averiguar a área destinada a esporte e lazer percebeu a existência de um "calão" fincado na ponta norte desta. Para piorar, reparou que a placa demarcatória do local está destruída (ou inexiste).

    Em seguida, ele dirigiu-se à delegacia da Brigada Militar da praia, onde foi recebido pelo sargento Marcelino e pelo Soldado Ramos, os quais informaram-no já terem oficiado à Prefeitura sobre a ausência da demarcação referida, o que os impediu de tomar providências junto ao pescador responsável.

    O fato relatado é preocupante, não apenas por ser um descumprimento da lei estadual 8676/88, como também pela morte do amigo Tiago Rufatto, ocorrida há duas semanas, em Capão da Canoa, fato que, espero, tenha chegado até vocês e os deixado em alerta.

    Dessa forma, reclamo aqui providências, a fim de que seja regularizada a situação mencionada, bem como, se possível, um retorno da Secretaria de Turismo sobre o assunto.

    Grato pela atenção,

    Atenciosamente,

    Renato S. Pereira (presenciou o fato aqui relatado: Fábio dos Santos Ribeiro)"

    QUINTÃO em alerta! NÃO AO 50º!

    Renato
    ASQUI

    www.oceanopensante.blogspot.com

    ResponderExcluir